Gestão de demanda de transporte: medidas para criar cidades mais seguras e sustentáveis

gestao1

Por Constanza Martínez Gaete

As cidades que possuem um desenho centrado nos automóveis fazem com que seus cidadãos convivam com maiores tempos de deslocamento, acidentes de transito e altos níveis de contaminação (acústica e ambiental). Entretanto, uma maneira de mudar isso é pensar as cidades como lugares onde transitam pessoas e não somente automóveis.

Este é o tema abordado em um dos nove artigos da série “Cidades Orientadas às Pessoas”, desenvolvida pela Embarq e Insights, que propõem que a cidades sejam pensadas para os cidadãos, introduzindo a gestão de demanda de transporte.

Em que consiste isso? Saiba mais a seguir.

A Gestão de Demanda de Transporte

gestao2

Como os automóveis não vão desaparecer das cidades de um dia para o outro, a Gestão de Demanda de Transporte propõe implementar diferentes estratégias que limitam o uso desnecessário de automóveis.

Para isso, procura-se tornar mais atrativas as opções que existem dentro do sistema de transporte urbano, indicando o modo de transporte utilizado, a rota e a forma mais cômoda. Assim, busca-se consolidar as opções alternativas sustentáveis de mobilidade, com a bicicleta e o transporte público.

Projetar ruas mais seguras

gestao3

As cidades concebidas para os automóveis apresentam ruas com velocidades máximas muito altas que aumentam as chances de que ocorra um acidente e reduzem as possibilidades de acesso para outros meios de transporte e circulação de pedestres.

Assim, a Embarq e Insights apontam que devem ser criadas Zonas 30 – como fez Paris em quase toda sua região central – e implementadas medidas complementares, como o estreitamento das vias de automóveis e a instalação de redutores de velocidade.

Além disso, propõem-se a implementação de sinalização que seja facilmente compreendia por todos os usuários de uma rua, destacando a prioridade dos pedestres no uso do espaço público através da construção de calçadas mais largas e cruzamentos elevados.

Lmitar os estacionamentos para automóveis

gestao4

Várias iniciativas demostraram que o espaço dos estacionamentos para os automóveis pode ser aproveitado de melhor forma, sejam através de intervenções urbanas, como acontece no Park(ing) Day, ou com a transformação das vagas de carro em bicicletários.
ntretanto, enquanto os estacionamentos continuarem a baixos preços e grande disponibilidade, os cidadãos terão uma oferta conveniente e segura para continuar utilizando o automóvel.

Por isso, propõe-se que se estabeleça um preço relativamente alto e que nos estacionamentos públicos comecem a ser implementados outros usos, como estacionamentos temporários, paradas de ônibus e bicicletários.

A presença do automóvel nos deslocamentos intermodais

gestao5

Nos Jogos Panamericanos 2011, realizados em Guadalajara, somente 10% dos participantes chegou de automóvel até os estádios. De acordo com a organização, isso é explicado pois os cidadãos contavam com a opção de estacionar nas proximidades de alguma estação de metrô ou de ônibus. Tendo esta situação como referência, recomenda-se combinar os deslocamentos de automóvel com outros meios sustentáveis.

Fonte: Archdaily

Entre em contato

Não estamos disponíveis no momento. Mas você pode nos enviar um e-mail e nós reponderemos, o mais cedo possível.

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?